Ideias

As 4 mutações no DNA da comunicação

Por
Fabricio Felix
Quando nos deparamos com uma realidade em que a comunicação começa a perder sua efetividade, precisamos urgentemente repensar a eficácia dos seus processos e a eficiência dos elementos que a constituem. Esta reflexão nos traz insumos fundamentais para motivar a implantação de muito além de mudanças, mutações no gene da comunicação das marcas em seus diversos pontos de contato e relacionamento.   Do linear ao matricial As ações de comunicação de marketing que antes seguiam linearmente a fórmula “emissor – meio – mensagem – receptor”, agora estão dependentes de outras variáveis e, para retomar sua assertividade, precisam passar por mutações radicais em seus conceitos. A premissa está em converter a comunicação linear e cartesiana em um novo formato matricial e interativo. Considerando que a tecnologia não seja mais o mais relevante elemento no processo da nova comunicação (por ser apenas uma ferramenta), é essencial uma análise profunda de cada elemento da cadeia que compõe o DNA comunicacional:   1 - O “novo” emissor Agente da comunicação, o novo emissor não é mais o protagonista, o artista, ou o dono da palavra. Uma marca hoje não pode mais “em-si-mesmar-se” gabando-se de suas incríveis qualidades e virtudes – que, diga-se de passagem, são facilmente copiadas e convertidas em commodities pela concorrência. Este discurso é chato e imediatamente ignorado pelos anticorpos que agora habitam os cérebros das pessoas e combatem a informação irrelevante. A postura da marca deve ser de empatia e abertura à interação.   2 - O “novo” meio Canal de distribuição da comunicação, o novo meio deve criar vias de mão dupla. Não pode mais se limitar à relação “1” para “n”, aonde um fala e o resto se cala e ouve. A ideia é provocar a interação “n” para “n”, aonde haja espaço para a expressão matricial e a co-criação. Não importa a plataforma, nem a tecnologia inerente, o que define a efetividade do canal é o conceito da interatividade matricial.   3 - A “nova” mensagem Conteúdo da comunicação, a nova mensagem deve ser palatável, relevante e utilitária. Convidativa, deve prover alguma contrapartida à atenção do interlocutor. Interativa, deve oferecer alguma experiência relacional. Interessante, deve provocar alguma reação sensorial e uma ação prática dos interlocutores em relação à marca. O maior cuidado deve ser afastar a marca dos discursos batidos e pisados, do lugar-comum, do ruído das massas concorrenciais, do “mais do mesmo”.   4 - O “novo” receptor “Reagente” da comunicação, o novo receptor agora é também emissor. Não é mais um mero agente passivo que recebia mensagens goela abaixo. Não é mais apenas um consumidor de mensagens unilaterais. É ele quem credita valor à fala do emissor e chancela a mensagem participando dela. É co-criador da reputação da imagem da marca, catalizador de novas interações. Multiplica para “n” outros interlocutores em uma ressonância viral. É, portanto, mais um meio de propagação e coautor das mensagens, tornando-se, portanto, o novo protagonista.   Ideias, ações e resultados Sem estas mutações conceituais a comunicação torna-se inócua, quase um placebo. Um novo conceito para uma nova genética comunicacional faz com que boas ideias tornam-se conteúdos relevantes que, por sua vez, são dissipados por ações interativas que, por relevância, criam interesse e interação que, por experiência, estimulam relacionamentos que, por consequência, geram bons resultados.   Mutação no DNA das marcas Todos concordam que a comunicação é, na maioria das vezes, a vilã dos maus resultados em diversas instâncias. E é mesmo se mal feita ou se largada à sorte da inércia gerada pela falta de visão de muitos gestores e pela negligência em não investir nesta área. Comunicação deve ser tratada e entendida como parte essencial do DNA das marcas e organizações, responsável pela fluência dos processos e, claro, pelo lucro ou prejuízo. Ora, se é questão de genética e sobrevivência, somente um movimento sério, profundo, embasado e responsável pode provocar as mutações necessárias destes genes, fazendo-os evoluir no passo das mudanças inexoráveis do mundo lá fora, aonde algumas marcas contam seus lucros, enquanto outras contam seus dias.
MAIS DO BLOG

Você também pode gostar

Ações
Como atrair audiência e aumentar sua demanda?
Ler mais
Ideias
Vídeo Marketing - uma tendência mais que consolidada
Ler mais
Conhecimentos
Inovar é C.R.I.A.R. valor
Ler mais